postheadericon COGITES

GRUPO DE PESQUISA:
INTERAÇÃO, COGNIÇÃO E SIGNIFICAÇÃO

Coordenação: Profª. Dra Edwiges Maria Morato (IEL/UNICAMP)


DESCRIÇÃO:

O Grupo de Pesquisa COGITES - Cognição, Interação e Significação - tem reunido pesquisadores de Iniciação Científica e pós-doutorado de diferentes formações (tais como Linguística, Filosofia, Medicina, Fonoaudiologia, Artes Cênicas, Pedagogia) da Unicamp e de outras instituições e está consagrado ao estudo das relações entre linguagem e cognição por meio da análise de práticas linguístico-interacionais, em especial as que envolvem indivíduos com afasia e com Doença de Alzheimer. 
Do ponto de vista institucional, o COGITES é um dos grupos de pesquisa que integram o Laboratório de Fonética e Psicolinguística/ LAFAPE, um dos centros internos de pesquisa do Instituto de Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas/Unicamp. 
A premissa do grupo é que as práticas linguísticas e interacionais podem ser vistas como um lócus de grande importância e potencial exploratório para o estudo da relação mutuamente constitutiva entre linguagem e cognição.
O COGITES desenvolve pesquisas coletivas, coordena um dos grupos do Centro de Convivência de Afásicos, promove e organiza eventos científicos, tendo já realizado quatro edições do Colóquio "Linguagem e Cognição em interação" e duas edições da Conferência "Linguística e Cognição". Também tem se dedicado a construções de corpora autênticos de práticas linguísticas variadas. 

INTERESSES TEÓRICOS:  

O COGITES tem focalizado determinados fenômenos em diferentes práticas discursivas e sociais: referenciação e categorização, enquadres sociocognitivos (como frames, metáforas conceptuais, modelos de contexto, rituais sociais, etc.), competência comunicativa, metaforicidade, multimodalidade, processos de ordem meta (atividades metalinguísticas, operações epilinguísticas, formas metaenunciativas, estratégias metaformulativas, etc.), recepção social de patologias linguístico-cognitivas. O grupo de pesquisa dedica-se também ao estudo da estruturação de processos conversacionais e dinâmica interacional (desenvolvimento e gestão do tópico discursivo, indexicalidade, dinâmica de turno, contextualização, etc.). 
     No campo mais específico dos estudos neurolinguísticos, os integrantes do COGITES dedicam-se à reanálise crítica da semiologia das patologias de linguagem (anomia, automatismo, perseveração, parafasia, confabulação, etc.), às relações entre o normal e patológico, à discussão das implicações de modelos biomédicos e sociais para a compreensão e diagnóstico das patologias linguísticas e cognitivas, às inter-relações entre linguagem e outros processos cognitivos (como a memória). 

ACERVOS:

O Grupo dedica-se, ainda, à constituição, organização e compilação de dados linguístico-interacionais autênticos, configurando três acervos de tamanhos diferentes (COGITESACERVUS): AFASIACERVUS, ALZHEIMERACERVUS e PLNP – Práticas linguísticas não patológicas.
Compilados eletronicamente, os acervos do COGITES são constituídos tanto de entrevistas semidirigidas e protocolos de estudos finalisticamente orientados, quanto dos encontros regulares do Centro de Convivência de Afásicos (CCA), da Unicamp- este, o maior acervo. Também fazem parte dos acervos do COGITES dados orais e escritos relativos a discursos político, religioso e midiático. 

PRINCÍPIOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS GERAIS:

O COGITES tem trabalhado em um domínio interdisciplinar que relaciona a Neurolinguística com as "linguísticas cognitivas" (isto é, com aquelas áreas da Linguística que se interessam mais explicitamente pela problemática cognitiva) e também com as Neurociências e as Ciências Sociais. A interface ou interlocução principal do grupo é estabelecida com a Neurolinguística, a Linguística Cognitiva e a Linguística Textual. 
        A fundamentação teórica na qual se ancoram os estudos do COGITES pauta-se sobre uma perspectiva sociocognitiva interacionista de filiação vygotskiana (Vygotsky, 1930,1934), alinhada com contribuições de Michel Tomasello (Tomasello, 1999, 2009, 2014, 2016). Uma das teses centrais dessa perspectiva é a de que a organização e a estruturação da cognição humana são constituídas por nossas múltiplas experiências psicossociais, culturais, corporais, cognitivas, linguísticas, afetivas. Segundo essa perspectiva, "não há possibilidades integrais de processos cognitivos fora da linguagem e nem possibilidades integrais de linguagem fora de processos interativos humanos". 

ÁREAS DE PESQUISA (Programa de Pós-graduação - Linguística – IEL – Unicamp)
1. Linguagem e Pensamento
2. Funcionamento do Texto e do Discurso

Entrevista (podcast da ABRALIN – Associação Brasileira de Linguística) com Edwiges Morato (IEL UNICAMP) sobre a área de estudos Linguística & Cognição: https://player.fm/series/entrevistas-da-abralin